sábado, 6 de abril de 2019

Dom Gaifeiros e o velho Convento de Penafirme.

A ORIGEM DO NOME
A outra lenda talvez seja história, é natural que sim. A história de Penafirme, contavam as pessoas mais antigas, que um fidalgo andava no mar e a certa altura o barco naufragou. E ele, agarrado a uma prancha, a um tronco, a uma madeira, viu-se muito aflito e pediu a Nossa Senhora da Graça que se fizesse dele pôr o pé firme, que ele mandaria construir um convento. E aí está. E depois Nossa Senhora conseguiu. Ele saiu ali junto à praia de Santa Rita e ali mesmo é que ele mandou construir o convento em honra de Nossa Senhora da Graça. E hoje há a Póvoa, Póvoa de Penafirme. Pé na firme: ao ver o pé firme. E ficou a Póvoa de Penafirme.

O CONVENTO
Em "COROGRAPHIA PORTUGUEZA"
"N. Senhora da Graça de Penafirme dista da villa (ndr. Torres Vedras) legoa, e meya, e está situado junto do mar entre as villas da Ericeyra, e Peniche, tres legoas distante de ambas. Fundou este convento Santo Ancirado Martyr pelos annos de 850 e o reedificou depois S. Guilherme, Duque de Aquitania, quando veyo em peregrinaçam a Santiago de Galiza".

S. Bernardo de Claraval converte Guilherme de Aquitânia
QUEM ERA GUILHERME DIQUE DA AQUITANIA.
Tal como o seu pai, Guilherme X era um amante das artes e patrono dos trovadores, música e literatura mas ao contrario do seu filho Guilherme IX foi um homem que gostava de chocar e apesar de ter sido ameaçado de excomunhão várias vezes - chegou mesmo a planear a construção de um convento onde as freiras seriam escolhidas entre as raparigas mais bonitas da região, projecto que acabou abandonado - só no fim da vida Guilherme doou somas importantes à Igreja, talvez para se redimir da má impressão causada.
Já seu filho era um homem culto, numa época em que os governantes eram quase todos analfabetos, que se esforçou para oferecer às filhas uma educação esmerada.
Apesar do seu amor às artes, Guilherme não foi um homem pacífico e envolveu-se em vários conflitos com França e seu vizinho Condado da Normandia. Dentro das suas fronteiras teve de lidar com várias revoltas que suprimiu com violência. Na política externa, Guilherme apoiou o Antipapa Anacleto II em oposição ao Papa Inocêncio IIe os seus próprios bispos. Em 1134, foi persuadido por Bernardo de Claraval a aceitar o líder legítimo da Igreja. Para expiar os seus pecados, Guilherme iniciou uma peregrinação a Santiago de Compostela e é aqui que faz a sua doação para a reedificação do Convento.
Guilherme acaba por morrer de intoxicação alimentar durante a viagem mas que despertou a imaginação de um qualquer trovador jogral  que compôs uma das mais importantes, senão a mais importante, poesias jacobeias em língua galega.

DOM GAIFEIROS
A poesia

"Sentado está Dom Gaifeiros
Lá em palácio real,
Assentado ao tabuleiro
Para as tábulas jogar.
Os dados tinha na mão,
Que já os ia deitar,
Senão quando vem seu tio
Que lhe entra a pelejar:
– «Para isso és, Gaifeiros,
Para os dados arrojar;
Não para ir tomar damas,
Com a moirisma jogar.
Tua esposa lá têm moiros,
Não sabes ir buscar:
Outrem fora seu marido,
Já lá não havia estar.»
Palavras não eram ditas,
Os dados vão pelo ar...
A que não fora o respeito
Da pessoa e do lugar,
Távolas e tabuleiro
Tudo fora espedaçar.
A seu tio, Dom Roldão,
Tal resposta lhe foi dar:
– «Sete anos a busquei, sete,
Sem a poder encontrar;
Os quatro por terra firme,
Os três sobre águas do mar.
Andei por montes e vales,
Sem dormir, nem descansar;
O comer, da carne crua,
No sangue a sede matar.
Sangue vertiam meus pés
Cansados de tanto andar;
E os sete anos cumpridos
Sem a poder encontrar.
Agora a saber sou vindo
Qua Sansonha foi parar;
E eu sem armas nem cavalo
Com que a possa ir buscar:
Que a meu primo Montezinhos
Há pouco os fui emprestar
Para essa festa de Hungria
Onde se foi a justar.
Mercê vos peço, meu tio,
Se ma vós quiséreis dar,
Vossas armas e cavalo
Que mos queirais emprestar.»
– «Sete anos são cumpridos,
Bem nos deves de contar,
Que Melisendra é cativa
E a vida leva a chorar.
E sempre te vi com armas,
Com cavalos a adestrar;
Agora que estás sem eles
É que a queres ir buscar?
Minhas armas não te empresto
Que as não posso desarmar;
Meu cavalo bem vezeiro,
Não o quero mais vezar.»
– «As vossas armas, meu tio,
Que mas não queirais negar
A minha esposa cativa
Como a hei-de eu ir buscar?
– Em São João de Latrão
Fiz juramento no altar,
De a ninguém não prestar armas
Que mas faça acobardar.»

Dom Gaifeiros, que isto ouviu,
A espada foi a tirar;
Saltam-lhe os olhos da cara
De merencório a falar:
– «Bem parece, mal pesar!
O muito amor que me tendes
Para assim me afrontar.
Mandai-me dizer por outrem
Que me las possa pagar,
Essas palavras, meu tio,
Que vos não quero tragar.»
Acode ali Dom Guarino,
O almirante do mar,
Durandarte e Oliveiros
Que os vêm a separar;
Com outros muitos dos Doze
Que ali sucedeu de estar.
Dom Roldão muito sereno
Assim lhe foi a falar:
– Bem parece, Dom Gaifeiros,
Bem se deixa de mostrar
Que a falta de anos, sobrinho,
Em tudo vos faz faltar.
Aquele que mais te quer
Esse te há-de castigar:
Foras tu mau cavaleiro,
Nunca eu te dissera tal,
Porque sei que tu és bom, to disse...
E agora, armar e selar!
Meu cavalo e minhas armas
Aí estão a teu mandar,
E mais, terás o meu corpo
Para te ir acompanhar.»
– «Mercês, meu tio, hei-de ir só,
Só, tenho de a ir buscar.
Venham armas e cavalo
Que já me quero marchar,
De covarde a mim! ninguém
Nunca ninguém me há-de apelidar.»
Dom Roldão a sua espada
Ali lhe foi entregar:
– «Pois só queres ir, sobrinho,
Esta te há-de acompanhar.
Meu cavalo é generoso,
Não o queiras sopear;
Dá-lhe mais rédea que espora,
Nele te podes fiar».

Andando vai Dom Gaifeiros,
Andando de bom andar.
Por essas terras de Cristo,
Té a Moirama chegar.
Ia triste e pensativo,
Cheio de grande pesar;
Melisendra em mãos de moiros,
Como lha há-de sacar?...
Pára às portas de Sansonha
Sem saber como há-de entrar:
Estando neste cuidado
As portas se abrem de par.
El-rei com seus cavaleiros
Saía ao campo a folgar;
Mui galãs iam de festa,
Mui ledos a cavalgar.
Furtou-lhe as voltas de Gaifeiros,
Pelas portas foi entrar;
Deu com um cristão cativo
Que ali andava a trabalhar:

– «Por Deus te peço cativo,
E ele te venha livrar!
Assim me digas se ouviste
Nesta terra anomear
A uma dama cristã,
Senhora de alto solar,
Que anda cativa entre moiros
E a vida leva a chorar.»
– «Deus te salve, cavaleiro,
Ele te venha ajudar!
A assim me dê outra vida,
Que esta se vai a chorar.
Pelos sinais que me destes,
Já bem te posso afirmar
Que a dama que andas buscando
Em palácio deve estar.
Toma essa rua direita
Que leva ao paço real,
Lá verás pelas janelas
Muitas cristãs a folgar.»
Tomou a rua direita
Que no passo vai dar
Alçou os olhos ao alto,
Melisendra viu estar,
Sentada àquela janela
Tão entregue a seu pensar,
Que as outras em redor dela
Não nas sentia folgar.
Rua abaixo, rua acima
Gaifeiros a passear.
– «Oh que lindo cavaleiro,
De tão gentil cavalgar!»
– «Melhor sou jogando às damas,
Com moiros a batalhar!»
Melisendra que isto ouviu
Começava a chorar:
Não já que ela o conhecesse,

Nem tal se podia azar,
Tão coberto de armas brancas,
Tão dif ‘rente no trajar;
Mas por ver um cavaleiro
Que lhe fazia lembrar
Aqueles Doze de França,
Aquela terra sem par,
As justas e os torneios
Que ali soíam de armar
Quando por sua beleza
Andavam a disputar.
Com voz chorosa e sentida
Começou de o chamar:
– «Cavaleiro, se a França ides,
Recado me heis levar,
Que digais a Dom Gaifeiros
Por que me não vem buscar.
Se não é medo de moiros
De com eles pelejar,
Já serão outros amores
Que o fizeram olvidar...
Enquanto eu presa e cativa
A vida levo a chorar
E mais se este meu recado,
O não quis aceitar.
Dá-lo-eis a Oliveiros
A Dom Beltrão o heis-de dar.
E a meu pai o Imperador
Que já me mande buscar,
Pois me querem fazer moira
E de Cristo renegar.
Com um rei mouro me casam
De além das bandas do mar,
Dos sete reis de Moirama
Rainha me hão-de coroar.»
– «Esse recado, senhora,
Vós mesma lho haveis de dar;
Dom Gaifeiros aqui o tendes
Que vos vem a libertar.»

Palavras não eram ditas,
Os braços lhe foi a dar,
Ela do balcão abaixo
Se deitou sem mais falar.
Maldito perro de moiro
Que ali andava a rondar!
Em altos gritos o moiro
Começava a bradar:
– «Acudam à Melisendra,
Que a vêm os cristãos roubar.»
«Melisendra minha esposa,
Como havemos de escapar?
– «Com Deus e a Virgem Maria
Que hão-de acompanhar.»
– «Melisendra, Melisendra,
Agora é o esforçar!»
Aperta a cilha ao cavalo,
Afrouxa-lhe o peitoral,
Saltou-lhe em cima de um pulo
Sem pé no estribo poisar.
Tomou-a pela cintura,
Que o corpo ergueu por lhe dar;
Assenta a esposa à garupa
Para que o possa abraçar,
Finca esporas ao cavalo,
Que o sangue lhe fez saltar.
Aqui vai, acolá voa...
Ninguém no pode alcançar.
Os moiros pela cidade
A correr e a gritar;
Quantas portas ela tinha
Todas as foram cerrar.
Sete vezes deu a volta
Da cerca sem a passar,
O cavalo às oito vezes
De um salto a foi saltar.
Já os moiros da cidade
O não podem avistar:
Acode o rei Almançor
Que vinha de montear,
Com todos seus cavaleiros
Lá deitam a desfilar,
Sentiu logo Dom Gaifeiros
Como o iam alcançar:
– «Não te assustes, Melisendra,
Que é força aqui apear
Entre estas árvores verdes
Um pouco me hás-de aguardar.

Enquanto eu volto a esses cães
Que os hei-de afugentar.
As boas armas que trago
Agora as vou a provar.»
Apeou-se Melisendra,
Ali ficava a rezar.
O cavalo, sem mais rédea,
Aos moiros se foi voltar:
Cansado ia de fugir
Que já mal podia andar,
Cheirou-lhe ao sangue maldito,
Todo é fogo de abrasar
Se bem peleja Gaifeiros,
Melhor é seu pelejar;
A qual dos dois anda a lida
Mais moiros há-de matar
Já caem tantos e tantos
Que não têm conto nem par;
Com o sangue que corria
O campo se ia a alagar.
Rei Almançor que isto via,
Começava de bradar
Por Alá e Mafamede
Que o viessem amparar:
«Renego de ti, cristão,
E mais do teu pelejar!
Não há outro cavaleiro
Que se te possa igualar,
Será este Urgel de Nantes,
Oliveiros singular,
Ou o infante Dom Guarim
Esse almirante e do mar?
Não há nenhum dentre os Donze
Que bastasse para tal...
Só se fosse Dom Roldão
O encantado sem par!»

Dom Gaifeiros que o ouvia,
Tal resposta lhe foi dar:
– «Cala-te daí, rei moiro,
Cala-te, não digas tal,
Muito cavaleiro em França
Tanto como esses val.
Eu nenhum deles não sou,
E me quero nomear:
Sou o infante Dom Gaifeiros,
Roldão meu tio carnal,
Alcaide-mor de Paris
Minha terra natural.»

Não quis o rei mais ouvir
E não quis mais porfiar,
Voltou rédeas ao cavalo,
Foi-se em Sansonha encerrar.
Gaifeiros, senhor do campo,
Não tem com quem pelejar;
Cheio de grande alegria
Melisendra foi buscar.
– «Ai! se vens ferido, esposo?
Eram tantos esses moiros,
E tu só a batalhar.
Mangas de minha camisa,
Com elas te hei-de pensar;
Toucas de minha cabeça
Faixas para te apertar.»
– «Cala-te daí, infanta,
E não queiras dizer tal;
Por mais que foram n‘os moiros,
Não me haviam fazer mal:
São de meu tio Roldão
Estas armas de provar;
Cavaleiro que as trouxesse,
Nunca pode perigar.»

Cavalgam, vão caminhando,
Não cessam de caminhar,
Por essa Moirama fora
Sem mais temor nem pesar;
Falando de seus amores
Sem de mais nada pensar.
Em terras de cristandade
Por fim vieram a entrar.
A Paris já são chegados,
Já saem para os encontrar,
Sete léguas da cidade
A corte os vai esperar.
Saía o Imperador
A sua filha a abraçar;
Palavras que lhe dizia,
As pedras fazem chorar.
Saíu toda a fidalguia,
Cleresia e secular,
Os Doze Pares de França,
Damas sem conto nem par.
Dona Alda com Dom Roldão

E o almirante do mar,
O arcebispo Turpim
E Dom Julião de além-mar,
E o bom velho Dom Beltrão,
E quantos soem de estar
Ao redor do Imperador
Em sua mesa a jantar.

Grande honra a Dom Gaifeiros!
Os parabéns lhe vão dar;
Por sua muita bondade
Todos o estão a louvar,
Pois libertou sua esposa
Com valor tão singular.
As festas que se fizeram
Não têm conto nem par."

In: Almeida Garrett - Romanceiro

UMA OUTRA LENDA
A Lenda da cruz
Reza a lenda que na manhã de dia 1 de Novembro de 1755 pelas 9:30 ou 9:40, Frei Aleixo estaria no exterior do Convento a tratar da sua horta quando se deu o sismo seguido de um Tsunami. A onda gigante com cerca de 20 metros de altura entrou pela costa direito ao vale onde estava situado o Convento de Penafirme. Frei Aleixo, em desespero, deixou os seus afazeres e desatou a subir monte acima para escapar á fatídica onda. Contudo, Frei Aleixo não aguentou a pressão da subida e sucumbiu já no topo do monte.
A Cruz foi erguida no local onde sucumbiu para lhe prestar homenagem.

sábado, 5 de janeiro de 2019

ANSIÃO: A Fonte Santa

    O milagre da Fonte Santa de Ansião conta-se em duas versões. A versão mais generalizada conta-nos que teria ocorrido junto a uma eira onde uma criança guardava o milho que os pais tinham a secar. Mortificada pelo calor ardente e cheia de sede a menina foi a casa para beber água e a mãe, zangada por ter desobedecido, não só não a deixou beber água como a obrigou a regressar à eira, onde a criança, a chorar, começou a rezar, ao que lhe acudiu Nossa Senhora que se lhe apareceu dizendo para procurar na areia que encontraria água. A criança assim fez e a nova rapidamente se espalhou por toda a freguesia de onde começaram a acudir na procura de remédio para as suas doenças.
   A segunda versão contada dois anos após o milagre ter acontecido por Manuel Severim de Faria, Chantre da Sé de Évora, que ali foi em romaria, relata que um menino sonhou que no milho que o pai tinha semeado no seco areal a Virgem lhe dava uma fonte. Tendo a criança no dia seguinte, escavado com as mãos o local indicado e deparando-se-lhe a nascente. Relata ainda Severim de Faria que logo acorreram ao local doentes que ao se lavarem com a dita água encontraram cura para os seus males.
   Independente da lenda que lhe deu começo a fonte não seria mais que um simples buraco aberto no areal tendo diante um outro para onde corria a água milagrosa.
  Encontramos a Fonte Santa na saída de Ansião, aproximadamente um (1) quilometro depois da Ponte da Cal.  Incisa na verga da porta do nicho está a inscrição «ESTA FONTE APARESEO A 11 DE AGOSTO DE 1623». O nicho em forma de vieira -, é rematado por uma cruz de terminações e no seu interior está a bica que canaliza a água que vem da nascente (uns metros mais acima).
   Anexo ao nicho, um pequeno edifício rectangular aberto por porta e óculo tem no seu interior uma banheira de pedra para imersão dos doentes nas águas milagrosas.
   No lado oposto da fonte destaca-se uma curiosa caixa de esmolas constituída por um monolítico bloco de pedra furado na parte de cima para o depósito das esmolas e aberto lateralmente por portinhola de ferro.
   Uns metros mais acima encontra-se a cisterna e no topo da encosta ergue-se uma capelinha de planta quadrangular que guarda a imagem de Nossa Senhora da Paz na noite da procissão que acontece no primeiro domingo do mês de Agosto parte da Capela de Nossa Senhora da Paz (a 1 Km da Fonte) ficando a imagem na capelinha sob vigilância dos fiéis, regressando no dia seguinte à Capela, junto da qual se realizam as festas.

Fontes:
- Inventário do Património Arquitectónico. Fonte Santa, IPA: 00008876;
- COUTINHO, José Eduardo Reis, Ansião. Perspectiva Global de Arqueologia, História e Arte da Vila e do Concelho. Coimbra, 1986;
- DIAS, Manuel Augusto. Confraria de Nossa Senhora da Paz da Constantina. Ansião, 1996.

domingo, 4 de novembro de 2018

MOSTEIRO DE SANTOS-O-NOVO (Comendadeiras de S. Tiago)

A 5 de Setembro de 1490, as comendadeiras da Ordem de Santiago de Espada abandonam o edifício de Santos-o-Velho, que até então ocupavam, e mudam-se para um outro na freguesia de Santa Engrácia, no local denominado Santa Maria do Paraíso, onde se ergue o Recolhimento Lázaro Leitão, sob a protecção do rei D. João II, sendo comendadeira-mor Catarina Nogueira
No inicio do séc. 17 decide-se construir um novo mosteiro, nas imediações para tal em 1606, Domingos Ribeiro Cirne é nomeado para cobrar as dívidas aos credores das monjas, de forma a garantir financiamento para a obra e nesse mesmo ano é ordenada a feitura das traças do edifício, provavelmente executadas por Baltasar Álvares, arquitecto das Ordens Militares. Passados 3 anos (1609), a 9 Fevereiro, é lançamento da primeira pedra. 
Ainda em construção em 1629, as freiras transferem-se para o novo edifício que apenas tem a sua conclusão em 1685.
O Mosteiro é composto por claustro quadrangular maneirista, igreja joanina de planta rectangular, com entrada principal por fachada lateral, esquema obrigatório nos conventos femininos, perpendicular à ala Este, com eixo interno, formado pela capela-mor, possuindo coro-baixo, coro-alto e sacristia adossada ao lado Norte. 
As fachadas conventuais maneiristas, tomando como fonte o Mosteiro de São Bento, em Lisboa, rasgadas por janelas de perfil rectilíneo com moldura de cantaria, algumas com grades, sendo circunscritas por duplas pilastras toscanas, único elemento de destaque na sobriedade das mesmas. O claustro de três pisos, dois com arcadas sobrepostas, assentes em pilares de cantaria e outro reentrante, formando terraço. 
As alas são profundas, com cobertura de berço com penetrações, onde surgem várias capelas, com decoração do barroco nacional, caso da Capela de Nossa Senhora da Encarnação. 
As Celas de dimensões consideráveis, constituindo unidades habitacionais para as comendadeiras, correspondentes ao seu estatuto de não clausura, com as fachadas rasgadas por 365 janelas.
No piso inferior, da zona conventual mantêm-se, na ala Sul o oratório de Santiago Maior.
Na Calçada da Cruz da Pedra onde se localiza um dos portais, encimado pelas armas da Ordem de Santiago da Espada e no Museu da Cidade encontra-se o Portal Manuelino que apresenta uma vieira, símbolo da peregrinação jacobeia.

Fontes:

  • CASTRO, João Baptista de, Mappa de Portugal, Lisboa, 1762-63; 
  • COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portuguesa e Descripçam Topográfica, tomo III, Braga, 1869; 
  • LEAL, Augusto Soares Pinho, Portugal Antigo e Moderno: Dicionário, Lisboa, 1873-90; 
  • MATOS, Alfredo, PORTUGAL, Fernando, Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 1974; 
  • OLIVEIRA, Eduardo Freire de, Elementos para a História do Município de Lisboa, 17 vols., Lisboa, 1882-1911; 
  • OLIVEIRA, Nicolau (Frei), Livro das Grandezas de Lisboa, Lisboa, 1992; 
  • PEREIRA, Esteves e RODRIGUES, Guilherme, Diccionario historico, chorographico, biographico, bibliographico, numismatico e artistico, vol. IV, Lisboa, 1909; 
  • PEREIRA, Luís Gonzaga - Monumentos Sacros de Lisboa em 1833. Lisboa: Oficinas Gráficas da Biblioteca Nacional, 1927; 
  • Regimento do Mosteiro de Santos da Ordem de Santiago da Espada, Lisboa, 1793; 
  • SOUSA, António Caetano de, História Genealógica da Casa Real Portuguesa, tomo XI, Lisboa, 1745-52; 
  • VITERBO, Sousa, Dicionário Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou ao serviço de Portugal, vols. I e III, Lisboa, 1899.


terça-feira, 30 de outubro de 2018

PATRIMÓNIO | Sé Catedral de Lisboa

A Sé Catedral de Lisboa - que noutros tempos era apelidada de Igreja de Santa Maria Maior -, foi construída, ao que tudo indica, sobre a antiga mesquita muçulmana. O primeiro impulso edificador deu-se entre 1147, data conquista da cidade, e nos primeiros anos do século XIII. O projecto adoptou um esquema idêntico ao da Sé de Coimbra, com três naves, trifório sobre as naves laterais, transepto saliente e cabeceira tripartida, modelo essencialmente de raiz normanda, devido, com grande probabilidade, à origem do arquitecto Roberto.

Nos séculos seguintes, deram-se as alterações mais marcantes, com a construção da Capela de Bartolomeu Joanes (uma capela privada de carácter funerário), o claustro dionisino e, especialmente, a nova cabeceira com deambulatório, mandada construir por D. Afonso IV para seu panteão familiar que constitui o mais importante capítulo gótico entre Alcobaça e a Batalha.

Ao longo da Idade Moderna o edifício foi objecto de enriquecimentos arquitectónicos e artísticos vários, como o testemunha a Sacristia, ou a grandiosa capela-mor barroca, mas a grande parte destas obras foi suprimida nas duas campanhas de restauro da primeira metade do século XX, cujo objectivo foi a "restituição" da atmosfera medieval a todo o conjunto.

Nos primeiros anos de Novecentos, Augusto Fuschini pretendeu reinventar uma catedral medieval, com laivos de fantasia neo-gótica e neo-clássica. A sua morte, em 1911, veio determinar o abandono do projecto. Nas décadas seguintes, sob o impulso de António do Couto Abreu, o restauro da Sé privilegiou as estruturas pré-existentes, dotando o edifício de um aspecto neo-românico evidente, cuja inauguração solene foi efectuada em 1940.

Será de referir que a Capela de SANTIAGO se situava onde se encontra o retábulo de Nossa Senhora a Grande - flanqueia o Arco Triunfal do lado oposto ao dedicado a Nossa Senhora Grande -, e junto à qual se fez sepultar, D. Álvaro, em 1184, talvez o seu instituidor, sendo por isso o primeiro local de culto a S. Tiago Maior na cidade de Lisboa.

Fontes: 

  • BEIRÃO, Sarah - Monumentos da Capital. Revista Municipal. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1943, n.º 15, pp. 69-72;
  • CASTRO, João Bautista de - Mappa de Portugal Antigo e Moderno. 3.ª ed., Lisboa: Typographia do Panorama, 1870, tomo III; 
  • CASTRO e SOUSA, António Dâmaso de - Monografia da Igreja Matriz da cidade de Lisboa. Boletim Architectónico e de Arqueologia. Lisboa: Real Associação dos Arquitetos Civis e Arqueólogos Portugueses, 1875-1876, tomo I, n.º 5 a 9; 
  • COSTA, António Carvalho da - Corografia Portugueza... 2.ª ed., Braga: Typographia de Domingos Gonçalves Gouveia, 1869, pp. 240-241; 
  • CUNHA, Rodrigo da - História Ecclesiastica da Igreja de Lisboa... Lisboa: Manoel da Sylva, 1642, vol. I; 
  • FERNANDES, Paulo Almeida - O sítio da Sé de Lisboa antes da Reconquista. ARTIS. Lisboa: Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras de Lisboa, 2002, n.º 1, pp. 57-87; 
  • FONSECA, Martinho da - A Sé de Lisboa e Augusto Fuschini. Lisboa: 1912; 
  • FUSCHINI, Augusto - A Architectura Religiosa da Edade-Média. Lisboa: Imprensa Nacional, 1904; 
  • GASCO, António Coelho - Das Antiguidades de Muy Nobre Cidade de Lisboa... . Coimbra: Imprensa da Universidade, 1924;



quinta-feira, 15 de março de 2018

🚨 A L E R T A 🚨

Pede-se a todos os peregrinos para terem em atenção as condições climatéricas que estão a assolar Portugal e a Galiza.
Antes de iniciar a sua jornada diária por favor questione no Albergue, Bombeiros ou Policia das condições do terreno e a possibilidades de inundações devido ao aumento dos caudais de rios, riachos e ribeiros.
Caminhe em Segurança!
Ultreya e Suseia.
Bom Caminho.